EM 1984 INSTITUIU O ANO GAY INTERNACIONAL.

Nossa reinvindicação:

Extinção imediata do parágrafo 302.0 do Código de Saúde do Ministério
da Saúde do Brasil;

Praça Castro Alves, Salvador.

Salvador, 6 março 2021.
A Associação Gay Internacional, órgão equivalente à ONU, que
congrega grupos militantes homossexuais do mundo inteiro, proclamou 1984 como o “ANO GAY INTERNACIONAL”. Se todas as minorias e
grupos sociais discriminados – crianças, velhos, deficientes físicos – já
tiveram seu ano internacional, nada mais justo que os gays, que representam
10% da população do mundo, também tenham um ano internacional a fim
de chamar a atenção da população mundial para os gravíssimos problemas,
sofrimentos e discriminação de que são alvo os homossexuais. Nos
principais países do mundo inúmeras atividades culturais, artísticas e
políticas estão sendo organizadas para que 1984 seja um marco na luta
contra a intolerância e preconceitos que anualmente levam milhares de gays
a situações dramáticas como discriminação no trabalho e escola; expulsão
de casa por famílias intolerantes; perseguição, espancamento e prisão por
policiais prepotentes e machistas; centenas de suicídios e assassinatos
causados simplesmente por uma razão: HOMOFOBIA, isto é, intolerância
aos gays e ao homossexualismo (uma doença tão grave e perigosa como a
hidrofobia, a raiva do cachorro louco). Não é fácil ser homossexual em
nossa sociedade, onde desde pequeno ouvimos nossos pais dizerem preferir
ter um filho ladrão, assassino ou morto, do que homossexual; onde ser
chamado de “viado” é das piores afrontas que alguém pode fazer a um
inimigo. Apesar de não Existir mais fogueira para nos queimar, muita gente
continua a pensar e agir como a mesma ignorância pré-científica e
obscurantista dos inquisidores: 3 homossexuais são assassinados todos os
meses no Brasil (fora os que os jornais não noticiam); 300.000 gays foram
exterminados nos campos de concentração nazista.
É urgente mudar a mentalidade mundial, substituindo-a por
princípios mais condizentes com o progresso científico e de acordo com os
direitos humanos universais. Felizmente já temos alguns progressos: a
própria Igreja Católica começa a mudar – em vez de queimar judeus,
protestantes e sodomitas, hoje o Papa prega o ecumenismo, o respeito aos
“oprimidos”, mandando inclusive que os gays sejam tratados com mais
respeito, sem violência nem discriminação. Os cientistas contemporâneos
são unânimes em afirmar que o homossexualismo não é nem doença nem
desvio. Diversas associações científicas das mais importantes dos Estados
Unidos e do Brasil – inclusive a Sociedade Brasileira para o Progresso da
Ciência – garantem que a discriminação imposta aos gays é extremamente
injusta, odiosa e anti-científica. Os políticos igualmente manifestam-se a
favor da igualdade de direitos dos homossexuais: na Noruega e Canadá há
leis que punem todo tipo de discriminação, por raça, idade, religião e
também por expressão sexual. O Conselho do Parlamento Europeu,
principal órgão político da Europa, manifestou-se várias vezes de forma
enérgica contra todas as expressões de preconceito e discriminação anti-gay.

No Brasil, mais de 15 mil pessoas já assinaram o documento de iniciativa do
GRUPO GAY DA BAHIA contra o §302.0 do Código Internacional de
Saúde, em vigor também no Brasil, que rotula o homossexualismo como
desvio e transtorno sexual. Entre os assinantes, mais de 300 políticos: o
atual Governador de S. Paulo, o Vice-Governador do Rio de Janeiro, 2
Prefeitos, 1 Senador, 14 Deputados Federais e 120 Estaduais, 149
Vereadores de todo o Brasil. Em Janeiro/83 a Justiça determinou o registro
legal do GGB como “sociedade civil”, reconhecendo-se oficialmente que
também os homossexuais têm o livre direito de associação para defesa de
seus interesses. Tudo isso é apenas um começo de uma longa luta e
caminhada: que 1984, o ANO GAY INTERNACIONAL represente um
avanço significativo e perceptível nessa busca de uma nova sociedade
mundial onde “o amor seja o essencial, o sexo um acidente, podendo ser
igual ou diferente”. (Fernando Pessoa)


Reivindicações (mínimas) do Movimento Homossexual Brasileiro:
1) Extinção imediata do parágrafo 302.0 do Código de Saúde do Ministério
da Saúde do Brasil;
2) Igualdade de direitos dos homossexuais;
3) Punição de toda discriminação e violência contra os gays;
4) Garantia de espaço nos meios de comunicação para o movimento gay
expor suas reivindicações.
Participe do ANO GAY INTERNACIONAL na Bahia: Programação
Janeiro (13 a 15): 2º Encontro Nacional do Movimento Homossexual
Brasileiro
Fevereiro (28): 4º Aniversário de Fundação do GGB – 3ª Exposição de Arte
Postal Gay
Início da Pesquisa “Os homossexuais na Bahia”
Março-Abril: Ciclo de conferências e debates “A Inquisição e repressão à
homossexualidade”
Maio-Junho: Campanha Médico-Social junto aos travestis do Pelourinho /
Semana do Orgulho Gay
Julho: Reunião Anual da Soc. Bras. P/Progresso da Ciência (SP),
conferências e debates
Agosto-Setembro: Debates na UFBª: “Homossexualismo visto pelos
professores e estudantes”
Outubro-Novembro: Ciclo de filmes sobre temos homossexuais
Dezembro: Exposição de Arte e Cultura Gay; Apresentação das conclusões
da pesquisa sobre os homossexuais da Bahia. Ato Público de
Encerramento do Ano Gay Internacional.

Boletim do GGB.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s