Últimas Notícias

Esse é o Portal do Grupo Gay da Bahia

GGB pede expulsão de policial que agrediu trans no carnaval de Juazeiro ao tempo que cobra do Deputado Soldado Prisco, aprovação de Lei que puna a LGBTfobia.

 

Salvador, Bahia, Sábado, 3 de janeiro de 2018. Do GGB. Gratuitamente, na madrugada do dia 28 de janeiro, no carnaval antecipado de Juazeiro, uma patrulha policial saiu distribuindo socos e pontapés aos foliões que participavam do carnaval antecipado de Juazeiro. O Grupo Gay da Bahia exige que a Corregedoria das Polícias abra processo administrativo para apurar a responsabilidade e punir policiais, psicopatas que utilizam da farda para agredir de forma violenta pessoas que estava na festa. A transexual Lorrana Sousa, foi alvejada com um soco no rosto fazendo com que a mesma ficasse inconsciente caída ao chão, sendo socorrida por pessoas que participavam do evento naquele momento.

Como pode-se ver no vídeo a agressão a Lorrana, foi absolutamente motivada pela transfobia, pois a vítima não se encontrava em situação de confronto a guarnição e nem a moralidade pública. “O soco, mortal foi dado por ela ser uma mulher trans, e ele ter percebido isso, a situação é reveladora de grande preconceito do policial” disse Marcelo Cerqueira, presidente do GGB, após ter tomado conhecimento do ocorrido nessa última sexta-feira, 2, de fevereiro. “Na condição de filho de militar, eu sei que a função da Polícia não é abusar violentamente das pessoas, mas dar segurança e proteção” disse Cerqueira, informando ainda que diante de uma situação tão relevante como esta é necessário falar sobre direitos humanos, cidadania LGBT para essas patrulhas. “Um LGBT pode ser bandido, sim, mas o fato de ele ser LGBT não fez dessa pessoa um abandido, um criminoso” esclareceu Cerqueira. O impacto do soco desferido pelo PM é tão forte que deixa a vítima no chão, mesmo percebendo isso, a guarnição segue sem sequer prestar socorro a trans caída vitíma policial.

A brutalidade da guarnição foi motivação para que a população gravasse em vídeo celular atuação desastrosa de policias militares durante o carnaval de Juazeiro. O GGB encaminha a Corregedoria das Polícias para abertura de processo administrativo com vistas apurar ás responsabilidade e a possível expulsão do policial que agrediu a trans Lorrana Souza, por puro preconceito, no último dia 28 no Carnaval antecipado de Juazeiro.

Deputado Soldado Prisco, vota favorável “dia do orgulho heterossexual” e contra o dia 17 de maio de combate a LGBTfobia na Bahia. 

 

O GGB sempre esteve ao lado da Polícia Militar da Bahia desde a realização da nossa primeira Parada Gay, parceria essa que não se resume apenas em policiamento na Parada Gay, mas com ações que buscam coibir a violência homofóbica no nosso Estado. É preciso aprovar leis que coíbam essa terrível violência gratuita, qual somos reféns corriqueiramente e atinge a integridade física dos LGBT’s e lembramos ao Deputado Soldado Prisco(PPS), Vice Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa da Bahia,  em entender a nossa luta e como representante do povo e da Polícia Militar da Bahia apoiar nosso projeto de criação do dia de combate à homofobia, o qual votou contra e se mostrou extremamente contraditório ao aprovar o “dia do orgulho heterossexual”, PL 21.081 de autoria do Deputado Sargento Isidório. De acordo com o presidente da Comissão de Direitos Humanos e Segurança Pública da Assembleia Legislativa da Bahia, deputado Marcelino Galo (PT), o projeto foi recusado pela Comissão, entretanto, segui para votação no Plenário. “Foi algo esdruxulo” disse o deputado. O grupo Gay da Bahia (GGB), não se opõe a criação do Dia do Heterossexual, entretanto, acreditamos que uma coisa não pode restringir a outra, e essa restrição é reflexo da política de extrema direita que quer desqualificar a nossa luta por direitos civis, restringir as liberdades individuais, os direitos das mulheres, instituir uma educação sem as humanidades e as artes.

A postura do Deputado Soldado Prisco foi considerada inesperada, motivada, talvez por influência de um pensamento de extremista de direita, o que não dá muito para entender essa suposta mudança, considerando a sua trajetória de ativismo. Logo você soldado Prisco que foi eleito vereador com a nossa solidariedade diante das questões que envolvem trabalho e qualidade de vida de homens e mulheres policias dentro de uma filosofia e de uma politica de esquerda. Prisco foi eleito vereador com o voto de policiais e familiares, entretanto ele desconhece que existem LGBT na Polícia, que são dignos policiais no ofício de suas responsabilidades. Na Bahia o efetivo de Policiais Militares  chega a 35 mil homens e mulheres, já a os Civis são cerca de 8 mil em todo Estado. A soma das duas forças policiais dá 43 mil indivíduos.

Não possuímos dados concreto de quantos LGBT existem nas duas polícias, entretanto, utilizamos a metodologia do Relatório Kinsey (1948), um dos maiores estudos sobre sexualidade dos Estados Unidos.,(Sexual behavior in the human male), que constatou 10% da sociedade americana LGBT. Desse modo, aplicando essa metodologia estima-se existir nas duas forças cerca de 4 mil indivíduos que são de orientação homossexual, sendo gays e lésbicas, podendo ser maior ou menor número. Certamente, esses dados são sugestivos, utilizados por analogia para contribuir com esse debate nas Polícias.

Consideramos ainda ponto positivo  a grande quantidade de jovens que tem entrado para a Polícia Militar mediante concurso público. Deputado Soldado  Prisco, talvez, influenciado por essa extrema direita Bolsonarista, retrograda, excludente  não consegue perceber essas mudanças dentro da Polícia Militar da Bahia, que é considerável a presença LGBT na instituição, que inclusive, necessita de apoio para lidar com a maioria interna, ainda adversa a essa situação.

As criticas do Grupo Gay da Bahia (GGB) em relação atuação parlamentar do Deputado Soldado Prisco, a entidade vai acionar o deputado na Comissão de Ética do Partido Popular Socialista para que o mesmo cobre a responsabilidade do deputado ao cumprimento do Estatuto, qual ele se comprometeu a cumprir quando assinou a sua ficha de filiado. No documento disponível na internet consta a defesa da livre orientação sexual e condições de gênero, no seu capitulo II, seção dos Direitos e Deveres dos Filiados, Deputado Soldado Prisco, não deve ter lido esse documento.

Cortando em nossa carne, vendo esse vídeo desumano e degradante, esperamos que o Deputado Soldado Prisco entende que leis contra a homofobia e violência salva vidas e garantem paz à comunidade LGBT, mas apoio a leis esdrúxulas não condiz com um Deputado que representa uma categoria tão parceira do GGB, como é a Polícia Militar.

Se na capital as abordagens policiais aos LGBT tem sido feita com algum  respeito a situação das abordagens nas cidades do interior tem sido desastrosas. O vídeo gravado por populares que mostra a mulher Lorrana sendo alvejada inesperadamente ´é apenas a ponta do iceberg de uma situação que é muito mais profunda e que requer educação e mudança de comportamento do policial nesse manejo. O GGb denunciou a Corregedoria das Policias agressão sofrida por Carla Rafaela, 28 anos e seu primo  Isac Pereira, 22 na saída de uma bar em Riacho de Santana no dia 8 de janeiro de 2017.  Carla Rafaela, recebeu socos pontapés, desferido por dois policiais, quando o primo Isac, foi pedir que os PM pareassem debater, ele começou a ser espancado pela dupla.  “Eles batiam e me chamavam de sapatão, vagabunda, desgraça e outros nomes horríveis”, disse Carla Rafaela ao GGB. Uma amiga dos dois primos que filmava por meio de um celular á abordagem teria sido chamada de vagabunda, e conduzida até o Batalhão de Bom Jesus da Lapa, ainda teve o seu aparelho quebrado pelos policiais.

Diante dessa situação o Grupo Gay da Bahia (GGB), comunica ao Comando da Polícia Militar da Bahia, que possui um conteúdo educativo construído com contribuições de policias LGBT que sugere procedimentos a serem adotados nas abordagens junto aos LGBT na capital e no interior da Bahia. O GGB se coloca a disposição da Polícia Militar para discutir esse conteúdo e inclusive a possível produção do mesmo em parceria com as polícias.  “Não queremos dizer como é que a polícia deve fazer o seu trabalho, porque eles sabem, mas se podermos contribuir para melhorar a imagem da corporação será muito bom”, conclui Marcelo Cerqueira  informando ainda que o conteúdo pode ser socializado, inclusive com a Defensoria Pública e o Ministério Público.

Confira o vídeo aqui!https://www.facebook.com/marcelo.cerqueira.351/videos/10155510076847979/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaques da Semana